As consequências da fake news podem ser vastas, dentre eles, implicações legais, podendo dar margem a acusações de difamação, calúnia e injúria. A ética e a responsabilidade    são pilares do jornalismo, exigindo a verificação dos fatos e atribuição de fontes confiáveis. Ao violar tais princípios, pode surgir a responsabilidade civil quando houver a divulgação de desinformações que afetem a reputação de indivíduos, empresas ou instituições.

Na contemporaneidade, um dos grandes desafios enfrentados globalmente são as fake news. A divulgação de notícias falsas impacta vários âmbitos, podendo ser uma ameaça à democracia e a integridade da sociedade. Nesse contexto, a discussão sobre ética e responsabilidade se destaca cada vez mais no âmbito jurídico.

O direito digital tem crescido exponencialmente devido a necessidade de abordagens jurídicas que se adaptem à era tecnológica. É crucial que haja uma regulamentação que equilibre a liberdade de expressão e combata a desinformação, devendo haver uma verificação rigorosa dos fatos e transparência nas fontes de informações. Uma ferramenta para práticas responsáveis pode ser a definição clara de responsabilidades civis para a disseminação de informações falsas.

As implicações legais das fake news permeiam áreas para além do jornalismo. A busca  por soluções legais eficazes para combater a desinformação requer uma abordagem multidisciplinar que promova a veracidade das informações e mantenha a integridade da sociedade em um mundo digital em constante evolução, de maneira que a liberdade de  expressão esteja protegida.