Introdução: Conceito de Democracia e entrada na Era da Informação

Democracia é um termo que trás a ideia de “poder do povo, pelo povo, para o povo” (Abraham Lincoln), pois traz consigo a representatividade no poder, por meio do seu procedimento de eleição: o sufrágio. Por democracia, em síntese, se entende um
sistema de coleta de opiniões onde a maioria possui o poder decisivo.

A democracia não é substancial, não se refere ao assunto que se decide, mas a como se decide. Para definir um certo sistema “democrático” não se analisam os outputs, os resultados, a legislação produzida, mas o processo, a forma, o procedimento (Adriano Gianturco, 2018). Portanto, deve-se partir desse entendimento do conceito de democracia para entender qual o sistema presente em nosso país, seu objeto e suas limitações, para enfim analisar como e por que as redes sociais impactam em nosso cenário político.

A era da informação, período iniciado no final do século XX, dinamizou a forma com que as pessoas se comunicam ao redor do mundo. A digitalização das comunicações, acentuada no início da década passada, já passou do “ponto de não-retorno”: o mundo está se aproximando dos 5 Bilhões de usuários de internet, o que representa 63% da população mundial, de acordo com o estudo Digital 2022: Global Overview Report. Há 10 anos, o número de internautas era metade dessa quantidade, o que demonstra a aceleração impressionante com que os meios de comunicação digital atingiram as camadas sociais.

Embora traga a ideia de que a maioria vence, ignorando a opinião dos “perdedores”, a democracia é, de certa forma, um sistema que “ouve” quem está sujeito ao resultado da decisão, havendo, portanto, uma participação do povo. Com esse contexto em mente, é importante observar as mudanças que essa digitalização causaram principalmente no jogo do poder mundial. A política, talvez mais do que qualquer outro campo, sofreu um abalo sísmico em sua estrutura prévia, criando um novo terreno para seu jogo. Em pesquisa do DataSenado, 45% dos 2,4 mil entrevistados afirmaram ter decidido o voto levando em consideração informações vistas em alguma rede social. Essa é uma transformação significativa no cenário democrático, uma vez que trouxe uma nova camada, com uma infinidade de possibilidades, a ser explorada pelos postulantes a cargos eletivos.

O impacto da digitalização, porém, vai além da informação que leva o eleitor a decidir seu voto. As redes sociais, por meio de mecanismos de criação de grupos ou páginas relacionadas a determinado tema, trazem uma facilidade inovadora no poder de mobilização social. A série de manifestações massivas contra os regimes autoritários no Oriente Médio e norte da África (com destaque para Tunísia, Egito, Líbia e Síria) no início da década passada, que ficou conhecida como Primavera Árabe, foi o primeiro movimento de relevância internacional que surgiu de mobilização nas redes sociais.

Além disso, as redes sociais tem facilidade em gerar “bolhas” espessas, que retroalimentam os desejos de seu consumidor, que tende a ficar cada vez mais envolto pelo conteúdo que o agrada. E, se tratando de política, essa dinâmica tem o potencial de causar uma polarização que se acentua com o tempo. Segundo estudo de Pablo Ortellado e Márcio Moretto Ribeiro, foram analisadas as interações de Brasileiros com perfis relacionados a política entre 2013, ano em que houveram os protestos inicialmente contra os 20 centavos de aumento na tarifa do ônibus em São Paulo, e que posteriormente se expandiram para outras pautas, até 2016, e o resultado foi uma polarização crescente em relação aos espectros políticos.

Conclusão

A era da digitalização transformou o mundo, e as redes sociais têm tomado cada vez mais tempo das pessoas, e estão cada vez mais populares. Como consequência, as pessoas estão cada vez mais se informando por meios alternativos, e isso tem um impacto na sua tomada de decisão política. As redes sociais, cada vez mais, têm influenciado no pensamento político e na mobilização social.

Referências Bibliográficas

KANAYAMA, Rodrigo Luís e ROBL FILHO, Ilton Norberto. Liberdade de Expressão, Redes Sociais e Democracia. Disponível em: https://www.conjur.com.br/2021-jul-10/observatorioconstitucional-liberdade-expressao-redes-sociais-democracia

NADDI, Beatriz Walid de Magalhães. Os desafios impostos pelas mídias sociais à democracia. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/4950784/mod_resource/content/1/Os%20desafios%20impostos%20pelas%20m%C3%ADdias%20sociais%20%C3%A0%20democracia%20aula%209.pdf

ORTELLADO, Pablo e RIBEIRO, Márcio Moretto. Mapping Brazil’s political polarization online. Disponível em: https://theconversation.com/mapping-brazils-politicalpolarization-online-96434

GIANTURCO, Adriano. A Ciência da Política – 2. ed. – Rio deJaneiro: Forense, 2018.

BAPTISTA, Rodrigo. Redes sociais influenciam voto de 45% da população, indica pesquisa do DataSenado. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2019/12/12/rede
s-sociais-influenciam-voto-de-45-da-populacao-indicapesquisa-do-datasenado.

Insper Edu. Mundo se aproxima da marca de 5 bilhões de usuários de internet, 63% da população. Disponível em: https://www.insper.edu.br/noticias/mundo-se-aproxima-damarca-de-5-bilhoes-de-usuarios-de-internet-63-dapopulacao/


SIMÕES, Rogério. O que foi e como terminou a Primavera Árabe?. Disponível em:
https://www.bbc.com/portuguese/internacional-55379502.